Responder a este comentário

Mais de 30 famílias perderam seus imóveis em Cabreúva por falta de registro de suas escrituras

As estatísticas impressionam:

  • 27 casas foram perdidas devido ao velho risco da transmissão de um imóvel para mais de uma pessoa. Quem registrou primeiro adquiriu o direito de propriedade, mesmo tendo comprado o imóvel alguns anos depois e não morando no local. Para quem não se preveniu e não registrou, restou apenas a possibilidade de promover ação judicial contra o vendedor para tentar ser indenizado pelo prejuízo, se este ainda tiver patrimônio disponível para pagar. Este risco é maior em casos de terrenos sem construções.
  • Outros 5 (cinco) imóveis foram perdidos por causa de dívidas dos proprietários anteriores. Com o novo sistema de penhora on-line de imóveis, os cartórios recebem, via Internet, ordens judiciais de todo o Brasil. Daí o imóvel é transferido ao credor ou arrematante, se ainda estiver registrado em nome do devedor. Em média, são recebidas cerca de oitenta pesquisas eletrônicas por dia.

 

Quem não registra não é dono!

É proprietário do imóvel quem registra em primeiro lugar. É o que diz, em outras palavras, o artigo 1.245 do Novo Código Civil, em vigor desde 2003.

 

Custo: existem diversas financeiras e bancos de Cabreúva que oferecem pequenos empréstimos em até 18 parcelas, para regularização de imóveis.

Estatísticas referentes ao ano de 2010.

(esta notícia pode ser publicada e divulgada livremente, sem nenhuma outra autorização)

Veja também:
Polícia procura casal que vendeu casa para 27 pessoas diferentes

Responder

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.